domingo, 11 de março de 2018

Daffé no Buriteco caffé



Dia 06 de abril cairá em uma sexta feira e será o meu aniversário. Iremos comemorar com muita música. Será no "BURITECO" no centro histórico às 20h. Espero você para eternizar esse momento comigo! Conto com seu presente...Ops! com sua presença

segunda-feira, 5 de março de 2018

Daffe na feirinha

Prefeitura atrai público para Feirinha São Luís com o show do cantor e compositor Daffe

Entre as novidades está a comercialização de bebidas típicas, como cachaças e tiquiras produzidas no Maranhão


Em sua 39ª edição, a Feirinha São Luís, realizada pela Prefeitura de São Luís por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), fortalece a economia da capital, não só estimulando a venda de produtos agroecológicos, como também de outros segmentos comerciais no entorno do evento. A Ferinha acontece todos os domingos na Praça Benedito Leite, das 7h às 15h. Entre as novidades desta edição está estara o show do cantor e compositor Maranhense Daffe.


Assim como neste domingo (4), nas próximas edições da Feirinha São Luís, até o mês de junho, serão comercializadas, cachaças e tiquiras produzidas no Maranhão. Sempre com várias atrações culturais.

quinta-feira, 1 de março de 2018

Show com Daffe na feirinha

Nesse domingo dia 04, ás 11 h. Estaremos com o nosso show na Feirinha São Luís, realizada pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), é uma importante janela para o escoamento da agricultura familiar da capital, composta por 11 polos agrícolas, fortalecendo a geração de renda do produtor. Todo domingo na Praça Benedito Leite, de 7h às 15h.

Daffe e banda

Daffe - Violão e voz
Arlindo Pipiu - baixo
Jeca - Percussão
Nataniel - Teclado

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Carnavalesco maranhense, Wagner Santos, disse ter sido uma honra homenagear o MA


“Para mim, é uma honra muito grande falar do meu Estado, porque foi uma oportunidade que a escola me deu, foi um grande presente", disse Wagner Santos.


Carnavalesco da escola Acadêmicos do Tatuapé, Wagner Santos. ( Foto: Reprodução)


SÃO PAULO - O carnavalesco da escola Acadêmicos do Tatuapé, bi campeã do Carnaval de São Paulo, o maranhense Wagner Santos, disse ter sido uma honra participar da homenagem ao Estado do Maranhão. “Para mim, é uma honra muito grande falar do meu Estado, porque foi uma oportunidade que a escola me deu, foi um grande presente", disse Wagner, que dedicou a vitória aos seus conterrâneos: "dedico a todo o povo do Maranhão, estamos muito felizes. Obrigado Maranhão, obrigado São José de Ribamar por este título”.
“Nós fizemos um trabalho com muita humildade, nós pegamos diversos materiais, fizemos reciclagem dos nossos materiais, fizemos o carnaval de uma forma humilde e respeitando todas as nossas coirmãs", acrescentou Wagner.
Um dos destaques do desfile foi a alternância, pela bateria da agremiação, da batida do samba para a batida do reggae, ritmo muito presente no Estado, e que levantou o público nas arquibancadas de São Paulo. A riqueza de detalhes das fantasias e as alegorias dos carros também chamaram a atenção.
“No Mar! Foi no balanço do mar, que o sonho aportou na ilha da magia. Lá em palmeira onde canta o sabiá, o sol namora a beleza do lugar, cenário de poesia. Tantas batalhas nesse torrão, herança de luta, cultura e amor”, diz parte do samba-enredo, que homenageou também o poeta maranhense Gonçalves Dias.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Marambaia canta Nordeste e vence pela primeira vez o desfile das escolas de samba de São Luís



Com um enredo sobre as tradições do Nordeste e a luta dos nordestinos em diversos aspectos (sobrevivência, cangaço, seca etc), a escola Marambaia do Samba, do bairro de Fátima, venceu o desfile das escolas de samba de São Luís, cujo resultado foi anunciado na tarde desta quarta-feira (14).
A apuração, como não poderia deixar de ser, foi marcada por confusões por conta de notas de alguns quesitos, o que teria prejudicado, principalmente, a Estação de Mangueira, do bairro de Fátima.
A Marambaia causou polêmica ao usar o símbolo do Comunismo em sua fantasia e nas camisas dos diretores, que é emblema dos dois partidos que seguem a filosofia comunista, PCB e PCdoB.
Embora não estivesse previsto no enredo, o emblema ilustrado pela foice e o martelo foi um pretexto para homenagear Haroldo Oliveira, o Haroldão, ex-presidente do Sindicato dos Ferroviários e que era presidente do diretório municipal do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Haroldão faleceu em dezembro do ano passado.
Ao vencer o carnaval, a Marambaia acabou com uma tradição que reservava o título para apenas três escolas: Favela, Turma do Quinto e Flor do Samba.
O segundo lugar ficou com a Flor do Samba; o terceiro, com a Favela do Samba; o quarto, com a Mangueira; o quinto, com a Turma do Quinto.

Beija-Flor é campeã do Carnaval do Rio; Paraíso do Tuiuti fica em segundo por um décimo

No Carnaval mais politizado em anos, a escola de samba Beija-Flor de Nilópolis foi consagrada, após a apuração desta quarta-feira (14), como a grande campeã do Grupo Especial do Rio de Janeiro.
A agremiação trouxe para a avenida uma forte crítica política e social com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”. As principais críticas foram centradas, nas alegorias e fantasias, à corrupção na Petrobras e à corrupção de governantes. O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi um dos políticos lembrados, em forma de protesto, além de sua esposa, Adriana Ancelmo, que foi representada por uma integrante da escola usando uma tornozeleira eletrônica.
Carros alegóricos também fizeram críticas à miséria da população e às balas perdidas que crianças, diariamente, são alvo no Rio de Janeiro.
Para representar a diversidade, as cantoras Pablo Vittar e Jojô Toddynho ganharam posição de destaque.
Em segundo lugar entre as melhores escolas, por uma diferença de apenas 1 décimo, ficou a Paraíso do Tuiuti, que também trouxe para a avenida uma forte crítica política e social. Sem estar entre as “grandes” do Rio de Janeiro, a agremiação surpreendeu e ousou ao representar o presidente Michel Temer como um vampiro e ironizar os “paneleiros” que, manipulados, saíram às ruas para protestar pelo impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Também marcou no desfile a crítica à “nova escravidão” através da retirada de direitos trabalhistas.
O enredo da Tuiuti, “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?”, que tratava sobre os 130 anos da Lei Áurea, foi praticamente uma aula de história sobre a escravidão no Brasil, as relações de trabalho e poder e como a elite continua escravizando trabalhadores no país.

Daffé no Buriteco caffé

Dia 06 de abril cairá em uma sexta feira e será o meu aniversário. Iremos comemorar com muita música. Será no "BURITECO" no...